RECREIO


Acaso me perguntaste se te queria ver?
Ou sequer conhecer
Não vês que me escorre pelos olhos
O desejo imenso de te esquecer
Não vês que sonho com o mar
E só me trazes a praia
Não vês?
Não vês que os meus poemas são selvagens?
Difíceis de domar
Não vês que sonho ao luar?
Não vês que neste sentir
Há um perdoar e uma imagem
Não vês que vim até aqui
Pelo medo e pela coragem
Não vês ou não queres ver
Que me alimento do verso que escrever
Da canção que vier
Do livro que ler
Que o teu corpo me sabe a pouco
Ou não queres ver
Ou estou mesmo a ficar louco?
Não, descansa...
Não tenhas receio
Apenas faço desta façanha de escrita
Um delicioso recreio
Foto: Raul Cordeiro
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal