FRAGMENTOS

Na capital do justo e equilibrado
Entre os seus distúrbios e regras
Foi o meu olhar pretendente
Foram os meus horizontes profundos
Foi o meu coração abstinente
E múltipla impulsão da minha carne
Senti-me onda e balanço
Entre a humanidade nebulosa
Onde o meu átomo rastejou
Fui de mim o próprio falhanço
Vi um milhão de movimentos, mas apenas uma lei
Vivi na cidade os meus olhos
Um fermento turbulento, intensamente feira
E nessa cidade de vida aos molhos
Foi esse fogo que ateei
Que marcou a minha fronteira

Foto: ... - Avelino Oliveira (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal