É verde e sangue


É verde e sangue
A folha onde cai este poema
A tinta preta das letras feitas versos
Um texto pequeno, o meu esquema
A minha vida vista do inverso
É verde e sangue da cor do sangue da minha dor
Da cor da coragem que não tenho
Da cor de uma vida curta, sem valor
Há uma sombra
Que me segue veloz na noite escura
Que se ri de mim e me esconjura
E me cansa a cada passo da avenida
Há uma esperança
Uma luz de cor que nasce nos teus olhos
Um verso branco escrito
No teus folhos
Um verso lindo, sentido
Da cor do teu vestido
É verde e sangue
A calma onde cai esta canção
O canto que canto alto
Bem alto com meu rosto em tua mão
É verde e sangue
A calma onde cai esta canção
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal