Póstumos costumes


Não me conformo
Em não aprender
A lidar com a minha casa das máquinas
Do corpo que habito
Das suas partidas traquinas
Ser porventura póstumo
É evitável
E para este costume
Pouco recomendável

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal