Sem muita conversa

É agora um poema 
Sem muita conversa na minha manhã
Um pecado de devassa 
Sem olhar ou alma cristã


Quando te zangas comigo 
Essa voz de mel
Tem sabor a lodo
A tua língua é fel


Não me atingem nem de perto as tuas setas
Precisas saber o proibido
Que eu tenho tentado
E não tenho conseguido


É agora um poema 
Sem muita conversa na minha manhã
Um pecado de devassa 
Sem olhar ou alma cristã


Sem saber de cor as tuas iras
Olho as estrelas em filas lestas e pretas
Quando pensas que sabes, deliras
O que outros dizem são tretas


Não esqueças…


É agora um poema 
Sem muita conversa na minha manhã
Um pecado de devassa 
Sem olhar ou alma cristã


Quando te zangas comigo 
Essa voz de mel
Tem sabor a lodo
A tua língua é fel


Quando te zangas comigo 

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal