O olho que me olha

Foto: Raul Cordeiro
É de cristal fino a voz
E o olho que me olha
Branca a camisa alagada
Das lágrimas de verão
Que brandem no chão
O cheiro a terra molhada
É de cristal o grito
Temerário
São de cristal os gemidos
E de chão
O cenário
São fiados na roca
Mordidos
Na boca os sentidos
Sim
Foi a nós que nos vimos
E sem olhar nos despedimos
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal