Supetão

Peguei nele seco ao luar
Em forma crua rectangular
E pu-lo no chão
No meu lugar
De soslaio vi-o bater baixinho
Pálido
Bate e pára
Bate e pára
Pára de supetão
Triste de seco
O meu coração

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal