Um dia hei-de conseguir a dimensão última do poema

Foto: Raul Cordeiro (olhares.aeiou.pt)
Um dia hei-de conseguir a dimensão última do poema
A forma de representação pessoal
Antes da publicação
Antes da exposição no meu ecossistema
Ganha ainda a diversidade da subjectividade de quem lê
Da interpretação mágica
Da leitura e diferenciação
De dizer sim ou não
De ler nestas linhas alguma lógica
É diferente o som da alma do poeta
Quando outros o lêem em silêncio
E de repente na ribalta
Alguém o lê em voz alta
O poema corporizado
Feito vida
Eco de uma voz escondida
E é dimensão última
O mesmo poema em vozes diferentes
Dito de uns para outros
Ou de outros para uns
Em pensamentos e almas
Contingentes

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal