Setembro

Desde que me vejo e me lembro
Abrir os olhos ao relento
Que as coisas boas e más
Me acontecem em Setembro
Assim como se o calendário parasse
E o coração disparasse
Célere em desengano
Esperando o fim do ano
Para que voltasse de vez
A acontecer tudo
Outra vez


Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal