Pouco poema

Foto: Raul Cordeiro (olhares.aieou.pt)


Não me lembro de olhar
Sem os olhos com que nasci
Mesmo que o que vejo me cegue
E pense que morri
Afinal vivo e revivo
Apenas e só o que vivi
Se sou ou não sou não sei
Sei só que não sou
O que não sou
Mas serei sempre
O muito que me dão
E o pouco que dou

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal