Barba grande e lágrimas

De barba grande e face pequena
Arranho os dias
À procura de uma hora
Na esperança de uma dezena
É na face que pico
E nos olhares que me fico
Sou inofensivo
Mole e leve nos gestos
Suave nos manifestos
Poucos protestos
E muitos suspiros
Silencioso
Até quando respiro
Não admira que não reparem
Que estou aqui
De barba grande e face pequena
O olhar na chuva
A desfrutar a cena
E que pique quem se aproxima
Num olhar triste numa lástima
Como se a chuva
Transportasse a minha lágrima

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal