O elogio

Não há terra, nem céu, nem mar
Que escutem os meus pés em cativeiro
Se o tempo cavou ruínas na minha pele
Foi porque ele, o tempo, chegou primeiro
Procuro
Num espelho, a companhia de um sorriso
Sei que é loucura odiar todas as rosas
Sei que é loucura perder o juízo
Mas que façam o elogio do louco
É por agora
Apenas o que preciso
Quero sentir quem sou
Se sou muito ou pouco
Se sou assim
Antes que o tempo
Na sua escavação
Descubra os vestígios
Que não sou louco
Não…

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal