Loucuras do mundo

Corri
E a árvore que escolhi
Entrou-me pelos braços
E dos seus ramos nasceram laços
E das suas flores abraços
No meu peito nasceu uma folha
Redonda como a minha mão
Mais singela
Em forma de coração
Nos meus pés uma raiz
Assim fininha, petiz
Que me agarra ao chão
Superficial num solo pouco profundo
Que me deixa pôr nos picos dos pés
E olhar a loucura do mundo

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal