Tinha asas nas costas

Tinha asas nas costas
E voava
Trazia para mim
Uma jóia
E as minhas respostas
Chovia para mim
Em gotas cristalinas
Uma chuva miudinha
E uma fada madrinha
Tocava o condão
De me levar
A minha inocência pela mão
E nem toda a inocência do mundo
E nem que olhasse bem fundo
Conseguia enxergar
Que era aquele vento suão
Um vento apenas
Do Verão, vagabundo
Acorda agora
Abre os olhos e vê as asas
Que elas vão-te tocar
Bem abertas e rasas
Enviar um comentário