Só tu sabes se vou morrer

Como é que te podes apresentar aos outros
Com esse corpo morto, rasgado, acabrunhado
Como podes fingir as conversas com ideias dispersas
Como podes escrever coisas ridículas
Sem escreves o meu nome em maiúsculas
Como podes fingir sem tingir de rosa os sonhos
E falar deles em tons risonhos
Só tu sabes se vou morrer
Se vou morrer de riso ou afogar-me num mar qualquer
Eu sei, sou poeta, posso inventar
Mas tu és mais
És mulher

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal