Essa estante de encantos

Entre ir e vir
Da minha estante de encantos
Não sei…
Talvez quisesse despir-te a alma
Duplicar-te com os olhos
Olhar-te deliciado com o pensamento
Beber esse néctar ao relento
Talvez pensasse no teu perfume
Colhido no alvor da manhã
Talvez fumegasse em mim um castiçal de lume
E me apetecesse subir ao cume
E gritar baixinho…
Olho-te a todo o instante
Vejo-te bailarina nos meus dedos
Confidente dos meus segredos
Talvez eu esteja aí
Despido de nudez à tua cabeceira
Explorando com os olhos
A colina e a ladeira
Talvez entre ir e vir
Fossem precisos dias e noites duplicados
Invernos secos e Verões molhados
Primaveras sem flores e Outonos em Maio
E mesmo assim talvez
Não chegasse outra vida
Para te conhecer outra vez


Enviar um comentário