Peixes amarelos e sereias

Contas as conchas do mar e o ruído
Que fazes ao caminhar
Contas-me ao ouvido o teu espelho
E as coisas perigosas do mar
És filha da ilha grande
Maravilha do meu marear
Contas histórias de encantar
De peixes amarelos e sereias
De sóis e luas cheias
E desse peixe chato, fedelho
Poeta das ideias
E contas mais ainda de ti
Do sabor da pele a sal
E de mais de mil epopeias
Do bem e do mal
De paixões e desventuras
Devaneios e loucuras
Contas os dias que passam
E as horas que não passam
Contas também…
No reino de Júpiter és doce e amada
E vives na ilusão do olhar
De me contares um dia
As tuas aventuras
Do outro lado do mar
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal