Culpas

Não é culpa da distância
Mas da infância
Não é do olhar
Que esse nunca olhou
Nem das mãos
Que essas nunca tocaram
Podes pensar
Culpar e chorar
Mas a culpa é desse lema
E afinal está aqui
À distância de um poema
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal