A tua construção

Abres os braços
Cerras os dedos
Destróis
E arruínas os meus medos
É de aço o teu peito
É de veludo o meu jeito
Muralha de pedra
Ao jeito da mão
Tijolo de mel
No cantinho do coração
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal