EM CONSTRUÇÃO

Um poeta não se constrói
Nasce consigo quando nasce
No poema o seu climax
E morre quando morre
Ou finge que vive e morre em cada poema
Ou arranja o estratagema de estar em cima
E fintar de calcanhar a rima
Hecatombe frágil
Poema cósmico
Colérico ou cómico
Alegre ou triste
Guerreiro solitário de pena em riste
Constrói-se a si mesmo
Sobre o nada e o tudo
Áspero ou veludo
Careca ou felpudo
É operário auto construtor
Análgésico da dor
Um poema é cirurgião de um acto actuante
Consciente
Delirante
Risonho ou façanhudo
Constrói-se poeta de nada e de tudo
Podemos até ver claro
Que no fim da história
É poeta de tudo
Atleta da memória
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal