Curtas de Verão (VII): Raivar

Quase, quase, me apetecia raivar
Gritar e sucumbir
Às canso-me até de me ouvir calado
De discursar contra a vontade
De ser estátua do silêncio da idade
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal