Curtas de Verão (VI): Ausência


Nada me obriga a fazer nada
Mas faço da vida uma pequena estalagem
E movo a minha vontade
Ao som sereno do invulgar
Parte a minha diligência devagar
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal