DUELO AO SOL

Perenemente escritas no livro do tempo
Namoram, casam e morrem em movimentos colectivos
Palavras escritas em dueto
Na água e no azeite das folhas de um livro
Dualismo que se mistura e se conjuga
Se transforma em pluralismo aditivo
Estilos marcados pela diferença
Líquido, sangue vital da mesma crença
Em comunhão secreta com a mesma paixão
Separados os mundos mas unidos os sóis e as luas
Paixão levemente traçada pelo dedo de quem as escreve
Ou pelos olhos e os sentidos de quem as bebe
Soltam-se os estilos, soltam-se as diferenças
Em páginas virgens, cruas
Mas é nas semelhanças que se encontram em harmonia
E nas diferenças que escrevem um novo dia

Raul Cordeiro e Renata Correia
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal