UM BOM ACTOR

Eu já sabia que alguma batalha se agoirava contra o meu esqueleto
Tempo maldito e feroz que não tens por mim respeito
Nem por esta víscera que tenho dentro do peito
Desconfiei que podia passar ao lado da tua árvore
E esconder-me calado nos ramos, nas flores ou nos espinhos
Mas denunciaram-me os meus lábios
E mais o cantar de pequeninos nos ninhos
Seria apenas mais um actor figurante
Se não tivesses aberto o pano quando me via ao espelho
Ou ligasses esse holofote vermelho
Sabia que ia chegar o dia em que esta ânsia do estômago
Se transformaria em gestos desabridos de socorro
Em desesperaria pela manhã do dia
Em que não conseguiria tirar dos cabelos a melancolia
Desconfiei mas não liguei
Ao sabor térreo da fruta que comia
Ao sabor é à dor
Mas ainda já sabia
Que não conseguia
Ser um bom actor
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal