Nome: SOL


Entre o rio e o mar uma imensidão de luar
Serena a linha do horizonte deita a lua no seu colo
Quando o teu nome sol a vem beijar
E na confusão do saltitar circadiano
Passam os dias e as luas
Fica o engano
Condenadas a guardas pretorianas do infinito
As nuvens braços de algodão
Doce como a tua mão
Salgado como o mar chão
Pendente sobre mim a espada da vida
E o dilema de voar
Ou de agarrar o coração
Entre o rio e o mar uma imensidão de ser
E a loucura de poder

Foto: A abelha ao sol - Reynaldo Monteiro (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal