Conta-me essa Liberdade


De repente, da alma de um povo
Em vez de balas choveram cravos
E um povo novo...
E era Abril de um ano
E começava ali
O que nunca acaba


Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal