NESSE ESPAÇO DE RIO ONDE NADA

espacialmente oco o interior
da furtiva luz desmaiada
nesse espaço onde doce é a doçura
nesse espaço de rio onde nada
da furtiva luz desmaiada
a loucura rumo à foz da coisa
é de carne o meu sustento
é de tábua rasa
do navio, a loisa
da furtiva luz desmaiada
é espacial e especialmente oco o interior
de peixes e algas floridas
é escuro de breu o fundo
da furtiva luz desmaiada
é doce
é salgado
esse porto de mar vagabundo
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal