Espantalho das palavras


Era assim como se na folha alva
Morasse um espantalho das palavras
E na folha seguinte outro espantalho
E de folha para folha
De espantalho para espantalho
Voassem os pardais perdidos na mata
E as palavras perdidas na data
Era assim uma história sem Homem de lata
Ou leão triste ou companheiro
E brigassem os pardais e as palavras
Em que folha me deito
Ou que espantalho respeito
Foto: com o espantalho - Telmo Simões (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal