PEDAÇOS DE SOL


É a tua árvore alheia à minha sombra

Nem sei quantas sombras fazes

Quando abres os braços

E me enleias e desfazes

Não é original nem pecado

Roubar ao Sol um pedaço

E ganhar raízes e espaço

Grande e leve é o vento que passa

E pesado o tempo que escassa

É a tua árvore alheia à minha sombra

Indiferente quando passo

Senhora e rainha solitária

De um tempo e de um espaço

Foto: Raul Cordeiro

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal