INFINITAMENTE


Será que existe algo para além do mundo?

Pode ser bom não pensar em nada

Nem na noite nem na madrugada

Falso será o buraco negro

De nebulosa disfarçada

Infinitos sentidos das coisas

Infinito o sentido do verso

Suave ecoar no universo

Existirá vida para além da vida

Ou será precisa outra vida?

Para viver a vida perdida

E para amar a vida pedida

Será apenas metafísico o amor?

Volátil, mais veloz que a dor

Queria ir na tua velocidade

Deixar que o universo parasse a contratempo

E em pausa abraçar o momento

De poder amar o tempo

Foto: Infinito Céu - Gustavo Urias (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal