é nos discursos mudos que se ordenam as baladas


às vezes, muitas, é nas palavras caladas
que nascem as madrugadas
é nos discursos mudos
que se ordenam as baladas
é nos olhos e não em nada
que se vêem os conteúdos
é na teia do sonhar acordado
que se olham os sonhos e as palavras
mesmo que não sejam ditas
ou mesmo malditas
às vezes é tudo ao contrário
às vezes é possível o poema
outras o silêncio apenas

Foto: ... entre quatro paredes de silêncio - Carla Salgueiro (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário