AUTOBIOGRÁFICO II


Que ninguém me venda as suas regras 

Que não visto a roupa de outros

Que os limites sejam os meus

Ainda que as barreiras sejam negras

Não me vejam cantar ao ouvido

Melodias de passarinho doído

Que sou livre no pensamento

Mas veloz no sentido

Não me venham falar de amor

Quando na seara onde se colhe

Nem nasce uma flor

Nem quero pensar na dúvida

Quero o milímetro cumprido

E nem o destino me distrai

De um destino bem medido

  Foto: sonho de criança... - J. Manuel Andrade (Osores) (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal