OITAVO DIA



Tivesse descansado ao oitavo dia
E seria seca a chuva
E molhado o deserto
O Sol a nuvem
E longe o perto
Tivesse apenas mais um dedo apontado ao mundo
E seria estreito o largo
E baixo o fundo
Tivesse apenas mais um pequeno sorriso
Seria frio o calor
E louco o juízo
Tivesse um esgar de admiração
Seria meu o teu
E teu o meu coração


Foto: CHICAGO - Paulo Madeira - www.paulomadeira.net (olhares.aeiou.pt)


3 comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal