AUTOBIOGRÁFICO I


Sempre fui
O maior dos meus próprios medos
Confidente de mim próprio
Ouvinte dos meus segredos
Sempre fui
O meu espelho
A areia do meu vidro
Ou o branco do vermelho
Sempre fui o meu rio
A minha carta de marear
A minha praia
O meu próprio navegar
Sempre fui
A minha imagem e a beleza
A alegria e a tristeza
O rir e o chorar
O gritar e calar
Sempre fui
A minha criança e adulto
O meu elogio ou insulto
Sempre fui
O pó e a estrada
A minha noite e a alvorada
Sempre fui e pouco mudo
Sou o meu nada
E o meu tudo

Foto: Espelho meu - luis azoia (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário