UBIQUIDADES TRANSVERSAS


Nesta vida de faz-de-conta
Amamos ou odiamos
Fazemos ou remediamos
É dia ou é noite
Damos o corpo ao açoite
Subimos ou descemos
Dormimos ou comemos
Estamos ou não estamos
Calamos ou gritamos
Somos pais ou morremos
Nascemos e somos pessoas
Odiamos as más
Adoramos as coisas boas
Somos sol ou chuva
Mão ou luva
Dia ou lua
Beco ou rua
Porta de saída
Viela ou avenida
Estamos no chão ou nos ares
Fintamos a idade
Iludimos a ubiquidade
Mas…
Mesmo que queiramos
Não estamos em dois lugares

Foto: Marques Tavares Carlos - Pontas Delicadas (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal