PREFERÊNCIAS


É salgada a tua silhueta
Azeda a espera dos braços e dos abraços

Saudosa a maré dos veleiros

Triste a espera pela mão branda do Outono

Desinquieto o meu sono

É quando...
Prefiro os odores aos cheiros

Prefiro o estalar das castanhas

Às dores das minhas entranhas

Prefiro o vento do dia

À chuva da noite

Prefiro a praia ao mar alto

A solidão ao assalto

Prefiro a carta ao postal

A chuva ao lamaçal

O açúcar ao sal

A voz do poema

Ao mais fugaz dilema

E prefiro... ainda
O sal do teu corpo

A um mar quase morto

Foto: CÓDIGOS - Paulo Madeira. www.paulomadeira.net (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal