POEMA PEQUENINO


Num poema pequenino
Dou lustre à palavra esquecida
Dou luz ao meu destino
E sem luz e sem te ver
Ficam estas linhas de vida
Para quem quiser ler e entender
É mesmo pequenino
Porque nasce e morre ao mesmo tempo
E antes que os olhos abram
Cresce e mirra em contratempo

Foto: Pequenino - ANDRA VALLADARES (olhares.aeiou.pt)


Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal