ASTROS


Astro doido de sonhos
Irrompe o Sol pela minha janela
E é com saudades de mim
Que fujo da minha cela
Labirinto, confusão
Pena, absolvição
Inteligência, abjecção
Passei por aqui e vou para lá
Nem dei pela vida
Olhei o Sol
Descobri a saída
Rua, agitação
Luas, estrelas
Conversas, balelas
Mas a curva que queria sentir
Nem vê-la
E à noite não durmo
Sinto o Sol minúsculo

Foto: A subida - Pereira Lopes (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal