SEGUNDA MORADA


Não... Não digo, escrevo
Escrever é assim com a segunda morada
Não a última...
O muro que protege da armada
A areia que barrica o mar
A seara que semeia o meu andar
Pelos caminhos
Calçada de vida e guarida
Asfalto de corrida
Pista de murmúrios
Presente de augúrios
Cavalgar de aromas e sensibilidades
Disfarce das idades
Companhia da longitude
Elixir da juventude
Mais que não seja das ideias...
Engrenagem de pensamento
Limpo e claro de areias

Foto: na Seara... - Miguel Peixeiro (olhares.aeiou.pt)





Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal