DESCANSO


E nasce assim um poema criança
Pardo pelas palavras
Um poema que dança
Na beleza da alvorada
Um poema de crença
De palavras rejeitadas
Um poema que a folha amansa
Apesar de mal amada
Nasce um poema
Perfeito e desarvorado
Salta a tinta
Dilui-se a ilusão
Suja a folha e a mesa
Tatua a minha mão
Marca a cadência
Ignora a frequência
Descansa a folha e a pena
Em poesias pequenas
E espera ao pino do Sol
Por novas palavras
Mais doces, mais amenas.

Foto: Dia de descanso - Isadora C. (Colibri) (olhares.aeiou.pt)


Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal