SILÊNCIO, NASCEU UM POEMA



Há silêncio, excepto no poema

Pairam rimas na minha mente

Posso gritar a toda a gente

Mas começa novamente

Posso saltar das palavras para as linhas

Ou das linhas para as ideias

E durante algum tempo monto a linha

Como monto a minha safra

Como calço as minhas meias

E nasce um poema que quebra a cor

Colorida da palavra

Bits de som e não muita forma

E repentinamente estou em lágrimas

Por ter quebrado a norma

Tenho de olhar para longe e esperar

Finalmente há silêncio

Silêncio voluptuoso

Excepto no poema vagaroso

Foto: Silêncio em S. Jacinto - Paulo Coelho (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário