RIO DE AROMAS E SENTIDOS


Sejam as mais íntimas memórias

Surdas e mudas

Se a memória for cega

E a tua presença táctil marcar a minha mão

Como o teu nome que gravo no chão

Sejam a tua cintura o meu apoio

E a tua pele incrustada na minha

Seja o gesto redondo do teu corpo

O descanso da minha retina

E a água da minha sede

E o teu perfume

Um rio colorido de aromas

Que escorrem sobre vales e montanhas

Sejas o que a minha memória deseja

E o resto que eu ouça e veja

Foto: ADRIANA... - Arlinda Mestre (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal