NEM FRUTOS NEM FLORES


É uma árvore estranha a que vive junto da minha janela
Tombada sobre o horizonte
Alta, de porte
Fugia da terra para o céu
Ramos selvagens, gratuitos
Alguns frutos, fortuitos
É uma árvore estranha a que vive junto da minha janela
Atroz e arrisca
Nem os pássaros pousam nela
Verde e castanha
E de copa tamanha
É uma árvore estranha a que vive junto da minha janela
Nem frutos nem flores
Nem flores nem folhas
Nem preto nem branco
Nem cores
Apenas alguns ramos felizes
Que em formas de abstracção
São seus troncos e raízes
É uma árvore estranha a que vive junto da minha janela
Mas que fazem meus olhos
Repousar suavemente nela

Foto: 03 - Hipnotylical - beowulf (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal