ADMIRAÇÃO


Admiro
A elasticidade do mundo
O belo e o feio
O bem e o mal
O superficial e o profundo
Resiste a almofada às noites mal dormidas
Volta a espuma sempre à mesma forma
As loucuras, os delírios
E a norma
A tenacidade sinuosa
Das plantas que procuram o Sol
A sua inteligência cega mas verdadeira
Admiro
A terra redonda
Vaidosa
O mar e o céu
O que é teu e meu
A calma e a onda
A onda e a vaga
Admiro
A saúde e a praga
O mais e o menos
A soma do todo nas partes
As estrelas que flamejam
Os astros e brilham
E tudo mais
Que os meus olhos não vejam

Foto: *Imensamente Azul* - *Rod* Rodrigo Silva (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal