O TAMANHO DO MUNDO


O mundo é demasiado grande para nós dois

Reduz a pó os nossos poderes

Entregamos-lhe os nossos corações, um benefício sórdido!

Pobres de nós, indefesos seres

Neste fado mar que desnuda o peito à lua

É dele o nosso amor e tudo

Nessa nau que nele flutua

Os ventos que uivam em todas as horas

E as velas adormecidas

Que no chão a cera choram

Como um pagão que amamenta um credo gasto

Neste navegar perdemos o norte e o rasto

Podia eu, estando neste prado agradável

Procurar a tua presença

E vislumbrar o que me faria menos gasto?

Foto: Going Up - Graça Loureiro (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal