LUGAR À BEIRA DE UM RIO


Não me vou incomodar
Com o que acredito ser ou parecer
Sou teu barco, forma de caravela
Sou tua velha sombra de Alcácer

Só me resta tudo o que queria
Nada do que tenho me resta inteiro
Como cheguei não interessa
Na tua manhã de nevoeiro

Esperavas à luz das tuas velas
E eu à luz das minhas navegava
Pelo peito de prata dos mares
Que a tua manhã anunciava

Em teu lugar à beira de um rio
Repleto de ar e vazio de gentes
Espera em ti uma nação inteira
Na súbita mudança que te ofereço
E no vento que o teu mar me oferece
Não me cansa tua voz que me chama
Ao leito que meu corpo merece

Foto: Manhã submersa - Rui Bonito (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal