DELÍRIOS CURTOS (IV)

Pensei toda a noite deixar aqui a minha alma
Perder esta capa misteriosa de calma
E viver esta vida a correr até ser dia
Pensei toda a noite nas tuas palavras despidas
Nas frases repetidas que gostas de dizer
Pensei toda a noite nas asas daquela gaivota
Que pode voar e estar aí ao amanhecer
Pensei toda a noite em ser dia
Pensei e repensei neste dilema
De como estar e ficar desse lado do teu poema
Enviar um comentário