DELÍRIOS CURTOS (I)


Tua pele manto suave das minhas bravuras
Âncora leve das minhas loucuras
Teu cheiro farol do meu olfacto
Olhos cerrados delírio do meu tacto
Tua voz sibilada a minha melodia
Teu sorriso a luz do meu dia

Foto: Chave da adega - Rui Choupeiro (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal