CANTOS ILUMINADOS


E foi num poema colorido que divaguei pelas ondas da poesia
E pintei cantos iluminados no escuro e vi lábios cor-de-rosas
E numa alucinação confessa pensei ter partido esse muro
E foi abandonando a fantasia que o real me abordou
Adornou esse encantamento e deixou-me sem ar e sem jeito
E em apneias de espanto e em jogos de enredos
Abri o peito às balas. Quebrou o encanto?
Deixei sangrar os segredos e aqui estou forte e ferido
Real e delirante, repousando e ofegante
Dominando com a pena o espanto e o canto
Que com a minha poesia foi concebido


Foto: Quantum teleportation - ®gonçalves (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal