ALÉM-MAR


Escrevo porque não tenho nada para escrever
Nem nada para dizer além do que tenho dito
Escrevo nas nuvens um nome de além-mar
Num poema de amor tamanho do infinito
Escrevo sem comprometimento ou aventura
Sem a vaidade dos tempos vazios
Escrevo nas nuvens um nome de além-mar
Com os olhos no meu norte e sem desvios
Escrevo com os olhos e com os dedos
Descrevo e imagino além-mar um corpo e alma
E a minha tinta é essa lágrima de amor
Que em versos e reversos me desalma

Foto: Derramava-te o Sol - J. PEDRO MARTINS (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal